teatro-digital

LITERATURA

Tecnologia a serviço da arte

Cordel  Difamantes  Poesias  Cinema  Circo  Dança  Eventos  Internet  Literatura  Musica  Radio  Teatro  Tv  Contato

 

LITERATURA

CANALHA, SUBSTANTIVO FEMININO
AUTOR: Martha Mendonça

O livro “Canalha, substantivo feminino”, da jornalista Martha Mendonça, chega às livrarias nesta sexta-feira e promete revoltar muitas feministas. Com prefácio da antropóloga Mirian Goldenberg, ela classifica a publicação de “cruel e muito divertida”, já que Martha inverte a lógica brasileira de gênero que repete que “homem não presta” ou que “todo macho de verdade é cafajeste”, mostrando que a mulher, quando quer, sabe muito bem como ser canalha. Depois de escrever os livros “Mulheres no Ataque”, com Carla Rodrigues, e “Eu e Você, Você e Eu”, com Nelito Fernandes, e a peça de teatro “Os Difamantes”,

Literatura

Martha sempre criticou a postura de vítima, tão presente no discurso das mulheres brasileiras. Para ela, todas podem ser (um pouco ou muito) canalhas, especialmente as que parecem frágeis, doces e inocentes. Martha ainda diz que os homens são mais canalhas em quantidade, mas que as mulheres sabem ser com muito mais qualidade.
http://lulacerda.ig.com.br/martha-mendonca-lanca-canalha-substantivo-feminino/
Mesmo a mais militante das feministas haverá de ficar chocada com “Canalha, Substantivo Feminino”, livro da jornalista Martha Mendonça, recém-lançado. Em seis histórias, protagonizadas por mulheres entre 20 e 48 anos, a escritora descreve os golpes baixos, as maldades planejadas e os ardis sujos utilizados para dobrar os homens e, também, passar por cima das rivais.
http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/tag/martha-mendonca/
O termo canalha, usado para definir homens sem nenhum caráter, ganhou uma conotação feminina, nas histórias contadas pela jornalista da revista Época, Martha Mendonça. A escritora inverte a lógica de gênero que repete que “homem não presta” ou que “todo macho de verdade é cafajeste”, mostrando que a mulher, quando quer, sabe muito bem como ser muito mais canalha.
Martha Mendonça é comparada por este livro ao inesquecível Nelson Rodrigues, o grande sintetizador do universo imoral brasileiro.
http://devoradoradelivroscom.blogspot.com/2011/02/canalha-substantivo-feminino-de-martha.html